Ir para conteúdo
Últimas

DEMOCRACIA CAPITALISTA EM TEMPOS NEOLIBERAIS

Após os duros e sangrentos anos de ditaduras militares em toda a América Latina, a instalação do período democrático não impediu o modo de produção capitalista de manter a ordem burguesa e sua acumulação do capital, bem como, manutenção dos privilégios de determinadas classes e raças através do período democrático neoliberal.

BRANQUITUDE E O FREIO A RADICALIDADE

Este texto apresenta  uma  crítica  a  respeito  de como a Branquitude, inclusive a do campo progressista, freia e cria uma barreira para que a radicalidade da luta e proposições dos movimentos sociais não venham a emergir de forma ampla. Afinal, lutas sociais e enfrentamento radical as estruturas de poder, derrubam os próprios privilégios da Branquitude.

MAPA DA GEOPOLÍTICA DO PODER COTIDIANO EM BELFORD ROXO

Ao observarmos a geopolítica local de poder nas disputas territoriais em Belford Roxo podemos afirmar que o projeto de Segurança Pública do Estado da Milicialização é hegemônico e avança por quase toda a região. Em que esta hegemonia é liderada por uma espécie de parceria entre as Milícias com o Terceiro Comando, que inclusive conta com a participação da Polícia Militar, com as sucessivas realizações de operações policiais em áreas de domínio do Comando Vermelho.

VIOLÊNCIAS, MULHERES E MILITARIZAÇÃO

Me somo como aliada, nessa campanha 8M das Pretas organizada pela Iniciativa Direito à Memória e Justiça Racial, trazendo de forma breve dois aspectos sobre violências que atingem as mulheres para refletirmos juntas. O primeiro pode ser resumido na seguinte frase: falar sobre estupro é falar sobre a história do Brasil. Já o segundo aspecto pode ser resumido em outra frase: discutir violências que atingem as mulheres é, necessariamente, discutir militarização. 

LANÇAMENTO: BOLETIM FEMINICÍDIOS 2022

Para relembrar as que vieram antes de nós neste Dia Internacional de Lutas das Mulheres (#8M), a Iniciativa Direito à Memória e Justiça Racial está promovendo a Campanha #8MdasPretas para resgatar o protagonismo das mulheres negras na luta por direitos sociais femininos. Por isso, convidamos a todes para conferir o Boletim de Feminicídios e Violência de Estado na Baixada Fluminense/RJ.