Ir para conteúdo

CategoriaJustiça Racial

BAIXADA FLUMINENSE: TERRITÓRIOS, DISPUTAS E AÇÃO COLETIVA DE MULHERES NEGRAS

Desenvolver ações e morar dentro de um mesmo território é um grande desafio para mulheres  negras na Baixada Fluminense. O cuidado com o outro precisa ser cercado de inúmeros autocuidados que nem sempre essas mulheres têm condições e tempo de realizar. 25 de Julho com a celebração de Mulheres Negras, Latino Americana e Caribenhas mostra também um panorama de barreiras que mulheres lidam dia a dia, na tentativa de tornar seus territórios menos desiguais. O projeto Apadrinhe um Sorriso, trouxe um impacto positivo para muitas crianças e suas famílias, entretanto sua idealizadora e nossa convidada apresentou reflexões fundamentais sobre território da baixada e suas especificidades. 

VIDAS LGBTQIA+ E A LUTA PARA EXISTIR

Neste 25 de Julho, dia da Mulher Negra, Latino Americana e Caribenha, celebração pela vida de Tereza de Benguela e marco da força e união de mulheres negras no enfrentamento às violências, a gente aponta mais um debate fundamental: Onde estão as mulheres negras trans, travestis e lésbicas nos lugares de reivindicação compartilhados pela luta coletiva? Nossa entrevista Gilmara Cunha traz reflexões importantes sobre esses contextos.

A ELITE NEGRA NÃO NOS SALVARÁ

Claro, para uma pessoa negra, especialmente um sobrevivente da epidemia de crack, se tornar um bilionário soa como a melhor história de sonho americana. Jay-Z é a definição de trapos para riquezas, um bom e velho se puxar para cima pela história de bootstraps. No entanto, esse genocídio que enfrentamos não é sobre a exceção, é sobre a regra. Este é o problema coletivo que enfrentamos. A ELITE PRETA NÃO NOS SALVARÁ.

EDITORIAL: POR QUE PRECISAMOS FALAR DE POLÍTICA DE DROGAS NA BAIXADA FLUMINENSE?

Em recente relatório produzido pela IDMJR sobre o impacto de 01 ano de suspensão das operações policiais na Baixada Fluminense expedida pelo Supremo Tribunal Federal, ao monitorarmos as operações policiais, nos deparamos que 90% das operações policiais realizada pela PM tiveram como motivações a apreensão de drogas e armas, encarceramento e tráfico de drogas, ou seja, o Estado a partir das polícias produzem a morte e o encarceramento da população negra sobre o discurso de guerra as drogas, que na real é guerra aos negros e periféricos.

100 DIAS DE OPERAÇÕES POLICIAIS EM BELFORD ROXO

A IDMJR ressalta que já são 100 dias ininterruptos de uma megaoperação policial para implementação de um destacamento de Policía Militar. No total, foram 26 operações policiais, 28 registros de tiroteios e 03 chacinas que resultaram em mais de 30 pessoas assassinadas. Essas violações vem acontecendo e desrespeitando a liminar de suspensão das Operações Policiais expedida pelo Ministro Faccin do Supremo Tribunal Federal que proíbe operações policiais durante a pandemia de Covid-19.

FAVELAS E PERIFERIAS DERROTAM A POLÍTICA DE MORTE DO ESTADO

A ADPF das Favelas apresenta ao STF que o Estado do Rio de Janeiro vem violando o direito da população negra, pobre, favelada e periférica com sua política de segurança pública de produção da morte.

A ADPF 635 possui uma especificidade importante:  a inédita participação da Baixada Fluminense, de organizações e movimentos de favelas e movimentos de mães e familiares vítimas da violência do Estado. Tal marco histórico apenas foi possível devido a atuante incidência política dos movimentos de favelas e periferias sobre a política de morte que o Estado promove em territórios predominantemente negros.

A LUTA ANTIRRACISTA E O PAPEL DA BRANQUITUDE

Durante um mês a Iniciativa Direito à Memória e Justiça Racial conversou e realizou uma série jornalística com um dos maiores especialistas no tema sobre Branquitude no Brasil, o Professor e Doutor Lourenço Cardoso.

Hoje, encerramos a série de entrevistas  com o último episódio da coletânea falando sobre Assassinato de George Floyd, luta antirracista e o papel da Branquitude.

A BRANQUITUDE BRASILEIRA

Durante um mês a Iniciativa Direito à Memória e Justiça Racial conversou e realizou uma entrevista com um dos maiores especialistas no tema sobre Branquitude no Brasil, o Professor e Doutor Lourenço Cardoso. O que seria apenas uma entrevista no tema Branquitude e Segurança Pública, tornou-se em uma série jornalística dada a tamanha complexidade dos temas tratados e a importância dos debates sobre supremacia branca e violência policial.