0 6 min 1 semana

Por IDMJRacial


Queimados é o município da Baixada Fluminense  com a população estimada de 153.335 mil habitantes e com uma área territorial* 75,927km2 , percebe-se  que nessa extensa área  encontram-se diversos problemas estruturais em diversos setores : saúde, educação e segurança que dificultam a qualidade de  vida da população.

Um dos problemas que assombra a população são as ações avançadas da milícia e por consequência a consolidação da política de milicialização presente com domínio em 96% dos bairros como apresenta nosso mapa da geopolítica do poder cotidiano, essas organizações permeiam desde o controle do comércio, segurança privada, à atuação  em espaços políticos partidário, secretarias de governo da região e fora da região. 

Aqui vale um preâmbulo que a partir da nomeação da ministra do Turismo Daniella Carneiro (União Brasil), popularmente conhecida como Daniella do Waguinho, pelo presidente Lula houveram denúncias de sua ligação com as milícias, foi noticiado que um dos nomes próximos a Daniella, Cristiano de Oliveira Gouveia, o Babu, acusado de promover aliança entre milícia e traficantes de Queimados. Babu participou de eventos da campanha de reeleição de Daniela à Câmara dos Deputados nas últimas eleições, incluindo um comício. Segundo o MPRJ – Ministério Público do RJ, Babu promovia aliança entre milícias e traficantes em Queimados, na Baixada Fluminense, e recebia dinheiro de serviço de televisão por assinatura clandestina.

E assim, as milícias dominam, controlam e oprimem a população de diferentes formas. A expansão  e  fortalecimento nos territórios  é feito por diferentes lideranças e  grupos  de milícias que se articulam com a facção TCP(Terceiro Comando Puro) para ocupar cada vez mais regiões do município de Queimados.

Percebe-se ao observar o Mapa Geopolítico do Poder Cotidiano de Queimados que os movimentos realizados pelas milícias com as parcerias com o TCP e as polícias para dominar o território, fez com que CV(Comando Vermelho) quase inexista no município. É nos bairros onde o CV tenta disputar o domínio territorial que acontecem a maioria das operações policiais,  com a intenção de  fragilizar , e em alguns  momentos também negociar as áreas de expansão entre  a Polícia, Milícia e  a facção TCP.

A  Milícia é estabelecida da seguinte forma como aponta ALVES:

(…) A milícia é treinada diariamente com os nossos impostos para operações policiais desse porte, é especialista em provocar dano na vida dos outros. Eles ferem, matam e torturam pessoas de comunidades pobres há décadas, desde a ditadura empresarial militar de 1964, com a montagem dos grupos de extermínio, depois com a relação com facções do tráfico de drogas, e agora eles são donos do próprio negócio no crime organizado com as milícias. 

ALVES, José Cláudio Souza – Pesquisador Especialista em Milícias/UFRRJ

Também vale destacar que com o domínio majoritário das milícias, aumentam os casos de desaparecimentos forçados em Queimados, um instrumento sendo utilizado como uma espécie de pedagogia do terror e do medo perante a população. Podemos materializar isto a partir do Boletim 2022 IDMJR – Desaparecimentos Forçados – Áreas de Desovas na Baixada Fluminense1, quando chegamos as seguintes áreas de desovas em Queimados: Campo Alegre, Parque Sarandi, Parque das Palmeiras e saída da Av. Presidente Dutra.

Ainda em Queimados coexistem os grupos de extermínios, mais popular é conhecido como Caçadores de Ganso. Esta nomeação você pode ver em diversos grupos de zap e redes sociais.

A presença da milícia nessas regiões da Baixada  dificulta analisar o contexto e pensar em ações de enfrentamento a este domínio e todas as violências produzidas pelas milícias. Conseguimos pensar em algo quando as milícias se consolidam como a política de segurança pública do estado do RJ? A quem recorremos? Para IDMJR o repensar as violências produzida pelo Estado , passa por discussões e ações que pautem o desfinanciamento das polícias, um controle popular das polícias, e a médio e longo prazo a abolição das polícias.

*Este mapeamento foi produzido a partir da escuta com moradores/as, de denúncias recebidas via nosso Zap Emergencial(21)98338-3410 e do rastreamento e monitoramento de redes sociais locais. Ademais, ressaltamos que a divisão territorial de Queimados ainda passa por transformações e disputas mesmo após 32 anos de sua emancipação territorial. Vale informar que durante muitos anos o município contou com mais de 300 loteamentos que frequentemente eram chamados de bairros. Atualmente a última gestão do Poder Executivo local tentou criar uma nova reorganização do território, com a consolidação de 32 bairros oficiais em 2020. Porém, sabemos que a dinâmica, a identidade dos moradores e o reconhecimento territorial não pode ser feito através de uma canetada do Estado. Por isso, optamos em manter a última divisão territorial reconhecida pelos habitantes.

** Na localidade de Parque Industrial não encontramos nenhuma informação sobre o domínio da área.


1 https://dmjracial.com/2022/11/23/lancamento-boletim-desaparecimentos-forcados-areas-de-desovas-na-baixada-fluminense/

Deixe uma resposta