Ir para conteúdo

CategoriaBaixada Fluminense

LANÇAMENTO: RELATÓRIO OPERAÇÕES POLICIAIS

A IDMJR de forma inédita publica o Relatório de 1 ano de Operações Policiais na Baixada Fluminense, fruto da nossa incidência política coletiva na ADPF 635, a ADPF das Favelas. Com exclusividade, o Relatório também se debruça nas relações de poder da geopolítica cotidiana dos territórios na Baixada, adicionando também um levantamento das prisões efetuadas durante as operações policiais.

PODER DO ESTADO: AUTONOMIA DAS POLÍCIAS

A partir da eleição de Bolsonaro e do agora impeachmado Wilson Witzel (PSC), ocorreu a intensificação da política de Segurança Pública baseada no controle das milícias, assistimos as polícias militares e civil ganhando força política, orçamentária e bélica, um grau de autonomismo pouco visto na história da Política de Segurança Pública do Estado do RJ. Ressalta-se que essa autonomia das polícias não está dissociada da escolha política do Estado, pelo contrário, implementa o projeto político do Estado através do encarceramento em massa e genocídio cotidiano do povo negro.

LDO 2021 – ORÇAMENTO DE SEGURANÇA PÚBLICA

A Iniciativa Direito à Memória e Justiça Racial a partir do seu projeto de Olho na Alerj que visa monitorar e sistematizar as proposições legislativas no campo da Segurança Pública, publica o Dossiê Orçamentário: LDO 2022-Produção da Morte. Neste Dossiê Orçamentário, analisamos a Lei de Diretrizes Orçamentárias de 2022 enviada pelo governador Cláudio Castro (PSC) na temática de Segurança Pública.

CHACINA DO JACAREZINHO: ABOLIR A POLÍCIA É O ÚNICO CAMINHO

Ontem, dia 06 de maio de 2021, mais uma favela, neste caso a favela do Jacarezinho sofreu com a Violência Policial. A operação gerou o assassinato de 29 pessoas, este fato não é algo isolado ou aleatório, pelo contrário é uma regra e histórico. Diante de mais essa carnificina realizada pelo Estado contra um território negro abolir a polícia é o único caminho. Não trata-se de um sonho, e sim, algo concreto e já é uma realidade e está em processo.

QUILOMBO HIDRA DE IGUASSÚ: MEMÓRIAS E RESISTÊNCIAS NA LUTA CONTRA AS VIOLAÇÕES DO ESTADO

A história da Baixada Fluminense é atravessada pela ideia de que esses municípios são abandonados e negligenciados, tendo uma população sem identidade coletiva, porém quando analisamos os processos de apagamento que a baixada sofreu percebemos que essa narrativa foi estruturada para o não pertencimento, sendo essas características pejorativas parte de uma produção sistematizada pelo Estado.

#DIADABAIXADA E ATUAÇÃO DA INICIATIVA

A IDMJR tem por um dos seus eixos de trabalho/militância a garantia da memória e não esquecimento do legado do nosso povo. Por isso, iniciamos hoje as comemorações do 30 de abril – Dia da Baixada. Memórias e Resistências contra a violência do Estado que busca reafirmar que nossos passos na luta vêm de muito longe!

GEORGE FLOYD: DO ASSASSINATO AO JULGAMENTO

Durante a última semana o julgamento do policial Derek Chauvin que assassinou George Floyd mobilizou o mundo inteiro, e não foi diferente aqui no Brasil. Com o resultado do julgamento e o policial sendo declarado culpado, movimentos e Organizações negras e de direitos humanos celebraram essa condenação, mas a reflexão que desejamos partilhar com vocês é: será que toda essa celebração não pode potencializar o direito penal ou criminal que nos mata e encarcera todo o dia? Será que essa condenação , resolverá o problema da Violência policial nos EUA contra a população negra?

INCIDÊNCIA POLÍTICA: RECOMENDAÇÃO DO MPF SOBRE CENTRO INTEGRADO DE COMANDO E CONTROLE NA BAIXADA

Diante da assinatura de um Convêncio entre a Prefeitura de Duque de Caxias e o Governo do Estado será implementado Centro Integrado de Comando e Controle , a IDMJR preocupada com a intensificação de políticas públicas com uso de videomonitoramento e reconhecimento facial que já se mostrou como mais um instrumento de reprodução do racismo estrutural, encaminhamos uma representação ao MPF evidenciado os equívocos da implantação de um CICC.

VIDAS SEM POLÍCIAS?

Enquanto professor de sociologia volta e meia temas como violência urbana e segurança pública vem à tona nos debates em sala de aula. Sendo que violência urbana já fez parte dos temas abordados no currículo mínimo da rede estadual de ensino do Rio de Janeiro. Por esses e outros motivos a gente aborda em nossos trabalhos nas escolas e espaços de educação popular, a questão da polícia e outras instituições de segurança pública na sociedade como algo social e histórico, e não de forma naturalizada.

LANÇAMENTO DO BOLETIM FEMINICÍDIOS E AS MILÍCIAS NA BAIXADA FLUMINENSE

Para relembrar as que vieram antes de nós neste Dia Internacional da Mulher, a Iniciativa Direito à Memória e Justiça Racial está promovendo a Campanha #8MdasPretas para resgatar o protagonismo das mulheres negras na luta por direitos sociais femininos. Por isso, convidamos a todes a participar da Live de Lançamento do Boletim de Feminicídios e as Milícias na Baixada Fluminense às 18h no Facebook da Iniciativa.

ATO POR EMILY E REBECA – BAIXADA FLUMINENSE: EXISTE E RESISTE!

Na última sexta-feira, Emilly Victoria, de 4 anos e Rebeca Beatriz , de 7 anos, foram vítimas da dita bala perdida, vindo a óbito. Com mais essas duas mortes, chegamos a 12 crianças mortas por bala perdida na Baixada Fluminense-RJ. Para Iniciativa Direito à Memória e Justiça Racial essas mortes são responsabilidade do Estado e que não devemos cair na armadilha da dualidade: se foi polícia ou tráfico que dispararam.

PACIFISMO DA BRANQUITUDE

O discurso pacifista observado, por nós, da Iniciativa Direito à Memória e Justiça Racial é oriundo dos privilégios da própia branquitude, que têm seus corpos historicamente resguardados e intocáveis nessa sociedade. Por isso, afirmamos que esse discurso pacifista pode representar mais do que uma simples narrativa e sim mecanismos de manutenção de privilégios através da contenção das revoltas populares.